Jornadas Pedagógicas? E depois?

O processo pedagógico planeado pelo Núcleo dos Estudantes de Informática para o ano lectivo de 2013-2014, passou por três etapas para o planeamento e resolução de problemas pedagógicos identificados nos cursos leccionados no DEI.

  1. Inquérito Pedagógico
  2. Reuniões com os Alunos
  3. Jornadas Pedagógicas

O trabalho do Pelouro de Pedagogia foi desenvolvido no sentido de não nos limitarmos a dar voz aos problemas mas sim de discutirmos, em conjunto com vocês, soluções a serem propostas aos Coordenadores de Curso e Comissão Científica do DEI, credibilizando o papel dos alunos nos assuntos pedagógicos e obtendo efectivamente melhores resultados.

Com base nas respostas do Inquérito Pedagógico e Reuniões de Alunos foram apresentados dois documentos:

  1. Proposta de Alteração aos Métodos de Avaliação
  2. Conclusões e Propostas

Foram apresentados argumentos para a alteração dos mínimos, sugeriu-se a adopção em maior escala de um modelo de avaliação que possibilite ter aprovação a mais cadeiras durante o período de aulas (ou por exame se desejado) para um semestre mais flexível, focou-se a importância de mecanismos essenciais para a gestão da carga de trabalho como o mapa de esforço e mapa de exames, abordaram-se casos pontuais mas vitais como a desvirtuação de Comunicação Técnica e deram-se os primeiros passos na reestruturação de (algumas) cadeiras de Design e Multimédia, entre várias outras propostas e sugestões.

E agora? O que mudou?

Tópicos Gerais

Alteração dos mínimos

Foi apresentada à Coordenação de Pedagogia do DEI uma proposta de alteração aos mínimos (actualmente fixados em 47,5%), subscrita por cerca de 10% dos alunos do DEI.

Foi também proposto pelo Professor Penousal Machado que os mínimos de avaliação sejam definidos pelo regente da cadeira, a quem se reconhece competência e responsabilidade para gerir, leccionar e avaliar.

Comissão Científica

A proposta será discutida em reunião da Comissão Cientifica do DEI, a realizar-se em Junho de 2014, comprometendo-se a Professora Maria José Marcelino a divulgar as suas conclusões.

Mapa de esforço

Foi sugerido que, durante a realização do mapa de esforço, sejam tidas em conta as cadeiras do ano anterior com maior taxa de reprovação, de forma a melhorar a distribuição da carga de esforço dos alunos que irão repetir essas cadeiras.

Foi também sugerido que o mapa de esforço deve ser realizado com um maior cuidado, de forma a minimizar os picos de trabalho.

Acções a tomar

A Coordenadora da Pedagogia, Professora Maria José Marcelino, compromete-se a pedir à comunidade docente o preenchimento atempado do mapa de esforço, de ambos os cursos, garantindo que estes são publicados no início de cada semestre. Ficará também de alertar para casos mais preocupantes de cadeiras de anos diferentes.

Mapa de exames

Face aos problemas identificados nos Mapas de Exames surgiram dúvidas se teriam sido ouvidos os alunos no calendarização do mesmo. O Representante dos Alunos presente, João Cerveira, confirmou que tem existido envolvimento dos vários Representantes alertando no entanto para o facto da calendarização final pouco reflectir a proposta feita pelos Representantes dos Alunos.

Acções tomadas

O Núcleo de Estudantes de Informática, em ligação com os Representantes dos Alunos, já elaborou em conjunto com a Dr.Márcia Espírito Santo, um processo mais cuidado de onde se destacam 2 pontos:

  • em anexo à proposta deverão constar as justificações de algumas escolhas para que sejam devidamente analisadas;
  • antes de publicada a versão final (que tem ainda uma fase de revisão pública) esta deverá ser revista pelos Representantes dos Estudantes, e alterada se necessário.

No entanto as cadeiras leccionadas por outros Departamentos poderão continuar a ser um obstáculo à calendarização desejada.

Incumprimento dos prazos de lançamentos das notas

São vários as queixas de atraso no lançamento de notas, com maior evidência nos exames mas também frequente nas notas da avaliação contínua.

Sublinhou-se a importância de cumprir as datas previstas no Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra alertando que o Exame Especial não é uma correcção satisfatória do problema, devendo haver esforços para evitar o problema de todo.

Acções a tomar

Os alunos foram informados pela Coordenadora da Pedagogia, Professora Maria José Marcelino, que deverão reportar imediatamente estes casos aos Coordenadores de Curso que têm a obrigação de contactar e pressionar o Professor para que este rectifique a situação.

Monitorização do número de horas do projecto

A excessiva carga de trabalho tem sido uma queixa recorrente nos últimos anos. Da perspectiva de vários alunos existem casos muito claros de atribuição incorrecta do número de horas estimado para a conclusão de uma dada tarefa.

O mesmo poderá não ser tão claro para o docente que a atribuiu. Acreditamos que para o docente seja de certa forma díficil distinguir de uma amostra se se tratam de casos pontuais ou um problema transversal à maioria dos alunos, e até que ponto o problema é real.

Desta forma levamos em consideração a proposta feita pelo Provedor do Estudante. Sugerimos que os alunos anotem o número de horas despendidas na realização do projecto (desde a investigação à implementação) e que forneçam essa informação aos docentes, que por sua vez devem procurar e avaliar esta informação.

Engenharia Informática

Comunicação Técnica

Foram bastantes as queixas a Comunicação Técnica, que na opinião dos alunos regrediu bastante este ano lectivo, com a perda da componente prática. Foi unânime a opinião que esta unidade curricular não funcionou nas devidas condições no ano lectivo de 2013/2104, apesar da sua alta taxa de aprovação, e necessita de ser alterada para que não se perca uma componente importante na formação de engenheiros e os seus soft skills.

Acções a tomar

A Comissão de Acompanhamento de LEI irá rever o programa em conjunto com a regente da cadeira para que esta situação esteja corrigida já para o ano lectivo de 2014/2015.

O NEI compromete-se a acompanhar esta situação.

Transição do antigo para o novo MEI

Foram levantadas preocupações relativamente à transição para o novo mestrado e na eliminação de certas cadeiras, obrigatórias para os alunos que concluem o antigo MEI no ano lectivo 2014/2015, mas que não irão portanto funcionar nesse ano lectivo (ex: OCCI).

Esclarecimento

O Professor Paulo de Carvalho, em representação do MEI, esclareceu que os alunos poderão frequentar uma cadeira o mais proxima possivel dessa cadeira, como forma de equivalência.

Design e Multimédia

Ausência de Mapa de Esforço

Não foi publicado o Mapa de Esforço para Design e Multimédia para o primeiro semestre, o que se reflectiu nos resultados do Inquérito Pedagógico do NEI, com mais queixas sobre a distribuição da carga de trabalho que os alunos de Engenharia Informática.

Acções tomadas

O Mapa de Esforço do segundo semestre foi tornado público no próprio dia das Jornadas Pedagógicas de Design e Multimédia.

Troca de TI com BD

A troca da cadeira de Tecnologias da Internet (3º ano) com Base de Dados (2º ano) tem sido um pedido recorrente dos alunos de Design e Multimédia, tendo por base a utilidade dos conhecimentos leccionados em TI na cadeira de BD.

Acções tomadas

A UC já aprovou a troca das cadeiras e o Plano de Estudos já se encontra alterado no Inforestudante. A alteração terá efeito já no próximo ano lectivo (2014/2015).

Atelier de Design

Discutiu-se a possibilidade de existir uma sala específica para o desenvolvimento de projectos de Design onde os alunos pudessem deixar/desenvolver os seus trabalhos.

Acções a tomar

O Coordenador do Mestrado de Design e Multimédia, o Professor Licínio Roque, está a planear um atelier recorrendo a uma ou mais salas da Torre E em que será disponibilizado material de apoio aos projectos de Design.

Multimédia

Esta unidade curricular foi um dos temas de principal foco nas jornadas pedagógicas de DM, tendo sido discutido, maioritariamente, a substituição da tecnologia leccionado. Foi consensual por parte dos presentes que o Adobe Flash, ferramenta utilizada nesta cadeira, irá ter pouca utilidade para o futuro profissional dos alunos tanto de LDM como de LEI, tendo em conta que esta é já considerada ultrapassada.

O facto ser também um software proprietário, o que vai contra a política open-source aplicada no curso, serviu como argumento para o seu abandono.

Uma das soluções sugeridas é o HTML5.

TI

Além da troca com BD, o programa desta unidade curricular foi revisto. A parte de servidor será apenas explorada em Base de Dados (leccionada agora no terceiro ano da licenciatura) no entanto, mostrou-se também a importância de manter algumas noções base de TI em relação ao lado do servidor exactamente pela sua utilidada para Base de Dados.

TC

O programa desta cadeira foi também revisto. Muitos alunos consideraram TC “inútil e desajustada”. Foi sugerida a substituição de elementos da parte electrónica pouco úteis por outros mais interessantes e com maior potencial de desenvolvimento no futuro (Arduino e Raspberry PI, entre outros).

IRC

Existe um descontentamento generalizado quanto à utilidade da unidade curricular no decorrer do curso, assim como pela linguagem utilizada e leccionada pelos professores na realização de algumas fichas e trabalhos.

Foi também discutida a carga de trabalho que esta unidade curricular exige, tendo em conta que os alunos de Design e Multimédia, ao contrário dos alunos de Engneharia Informática, não tiveram as bases necessárias de linguagem C para serem bem sucedidos, o que explica, na opinião dos alunos, a grande taxa de reprovação de alunos de Design e Multimédia a esta cadeira.

ECTS

Foram discutido nestas jornadas alguns casos de cadeiras, como Comunicação Multimédia e Introdução às Redes de Comunicação, em que a carga de trabalho exigida aos alunos ultrapassa largamente os ECTS correspondentes a estas unidades curriculares.

Documentos da criação do curso

Foi referido que o actual curso de Design e Multimédia não corresponde na totalidade ao plano traçado para este inicialmente e que se deveria olhar para os documentos originais de modo a colmatar alguns dos problemas levantados nas Jornadas. Esta posição foi reforçada pelo facto da cadeira de Tecnologias de Interface de MDM ter sido revista e alterada para o modelo original, o que resultou num melhoramento substancial dos resultados obtidos pelos alunos desta comparativamente a anos anteriores.

Apresentação do curso a potenciais novos alunos

A maneira como o curso está a ser apresentado institucionalmente, tanto na site da UC como na página do curso, poderá estar a levar muita alunos ao engano sem que estes tenham real noção do que é o curso, podendo isto levar a futuras desistências, e falta de motivação dos alunos.

Cadeiras, ECTS, Criação e Apresentação do Curso

Estes tópicos serão abordados no trabalho a realizar pelo NEI e alunos de Design e Multimédia interessados, a começar já em Junho de 2014, para elaboração de proposta a apresentar junto da Coordenação de Pedagogia do DEI.

Design III

O facto desta unidadade curricular ter sido dada por 4 professores gerou alguma confusão ao longo do semestre, tanto na disparidade de notas atribuídas, como na dificuldade do desenvolvimento do processo de Design. Foi consensual de que este método de avaliação não era o mais adequado.

Acções a tomar

A Professora Marcelino já nos deu a conhecer que estariam a haver alterações. Actualizaremos assim que possível com a resposta.

Mestrado

Alguns alunos consideram o mestrado de Design e Multimédia pouco específico, pelo que se falou que seria interessante aplicar a estrutura do novo MEI (ou seja, a ramificação e especialização em determinadas áreas) no mestrado de DM.

Acções a tomar

Não está a ser contemplada até ao momento ramificações para MDM.

Instalações D'Arq

Foram levantados alguns problemas em relação às condições das infra-estruturas do Departamento de Arquitetura (má acústica das salas, falta de tomadas, aquecimento, internet, etc…).

Acções a tomar

O Departamento de Engenharia Informática não se atribui nenhum tipo de responsabilidade ou poder para tomar algum tipo de acção em relação ao Departamento de Arquitectura.

Inteligência Ambiente

Sugeriu-se que esta cadeira, inserida no Mestrado de DM, trocasse de nome, por este não corresponder ao plano de estudos executado. Assim, sugeriu-se a alteração de Inteligência Ambiente para Visualização de Informação.

Acções a tomar

Esta alteração será tida em conta na próxima reestruturação não se justificando de momento que se peça a sua alteração em Diário da República.

Trabalhador Estudante

Como o processo de trabalho das cadeiras de Design é um processo contínuo e desenvolvido, muitas das vezes torna-se complicado para os professores acompanharem o projecto dos alunos.

Acções a tomar

Foi esclarecido que os alunos que frequentam as cadeiras de Design e são trabalhadores estudantes não são obrigados a assistir às aulas mas deve partir destes o interesse em ver os seus projectos acompanhados pelos docentes, procurando encontrar-se com os mesmos fora do horário das aulas.

Horários

Como os horários são gerados pelo sistema de gestão muitas vezes surgem incoerências em determinadas unidades curriculares. Sobretudo para Design e Multimédia foi apontado que seria mais benéfico existir um bloco de alguns dias entre as aulas da mesma unidade curricular para que o feedback aos trabalhos possa ser dado com regularidade, e não com o espaçamento de 5 a 7 dias.

Acções a tomar

O NEI reunirá com o responsável pela criação dos horários de modo a apurar o que pode ser feito para prevenir algumas das situações apontadas.

Outros

Existe algum ponto em falta e que gostavas de ver respondido? Contacta-nos por e-mail ou coloca-nos uma questão na Página para veres as tuas dúvidas esclarecidas.

Esta publicação poderá ser actualizada com algum desses pontos :)